quinta-feira, 3 de julho de 2014

Decisões utópicas e decisões realísticas

O meu condomínio e o conselho de estado estão reunidos. 
Num deles as pessoas decidem com o seu rendimento e património o seu bem comum.

Carlos Novais



2 comentários:

Diogo disse...

Como podem os políticos representar o povo, se lhes são dados milhões para representar uma elite?

Também sou contra a «democracia representativa». Defendo a Democracia Direta. A tecnologia já está madura para isso.

taawaciclos disse...

Deve viver num condomínio só com dois ou três vizinhos!

No meu o espectáculo é exactamente igual ao do País e porquê?

DIMENSÃO...

Das 296 fracções (nem todas habitações evidente, mas a maioria é de habitação - 178) apenas cerca de 30 fracções se apresentam directamente nas assembleias, e existe quórum - para já - porque ainda andamos feitos parvos a tentar cumprir o CCP! Mas algo me diz que daqui a nada nem isto seremos capazes de fazer, assembleias com quórum... E depois será o juiz a decidir!

Já disse a vários vizinhos que o nosso condomínio é o espelho do país: A maioria está-se a CAGAR, vão pagando (uns nem pagar querem e depois chega o solicitador com a carta da penhora da casa via leilão ou do carro ou etc, e lá pagam, a custo! Gostam de ter as mordomias e não pagar por elas)

Enfim, resumindo: Nenhum sistema demasiado grande e com grande número de indivíduos funciona! Principalmente quando os indivíduos são FORMATADOS para o INDIVIDUALISMO e para a COMPETIÇÃO SEM VALORES!