quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Leva séculos a fazer

«Um decreto a reconhecer a cidadania faz-se em minutos e pode fazer-se já; um cidadão, isto é, o homem pleno e conscientemente integrado numa sociedade política civilizada leva séculos a fazer.»

António de Oliveira Salazar


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Europa e a encruzilhada civilizacional



O que aconteceu ontem à noite na Suécia?

A mesma coisa que tem acontecido todas as noites na Suécia nos últimos dois anos; Uma epidemia de crimes violentos e violações cometidos por um afluxo de refugiados muçulmanos. A Suécia é agora o número dois na lista de países de estupro, ultrapassada apenas pelo Lesoto na África Austral.

Violações na Suécia Em comparação com o resto do mundo


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Antes o mal do que a estupidez

"É melhor estar cercado pelo mal do que pela estupidez. Contra o mal pode-se lutar."

AM





terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Destruir o Estado Nação

"Destruir o Estado Nação é o mesmo que acabar com a noção de Família tal como tradicionalmente a concebemos."

LS


Tragicomédia à Portuguesa



domingo, 5 de fevereiro de 2017

Pizza da Moda


Metade taco.
Metade hambúrguer com bacon.
Muro de mozarela.


terça-feira, 31 de janeiro de 2017

O nativismo floresce em muitos países

"O nativismo floresce em muitos países – e não apenas nem sobretudo nos Estados Unidos – porque grande parte da população sente que deixou de controlar o seu destino, nalguns casos que é quase estrangeira no seu próprio país. O que é confortável para a elite cosmopolita, que aboliria já hoje todas as fronteiras, cria insegurança entre todos os que vão ficando sem as suas referências tradicionais. Essa mesma elite que se diz pronta a acolher todos os migrantes que chegarem ao mundo desenvolvido também não vive nos bairros onde esses migrantes depois se instalam, nem anda nos mesmos transportes públicos."
E nem é preciso dizer mais nada!

JF




sábado, 21 de janeiro de 2017

Bons Sonhos!



Estado de Negação

Soros. Donald Trump “é um aspirante a ditador” e “vai cair”

Carnificina americana (via O António Maria)


Estado de negação



Estado de negação


O mundo, sobretudo o mundo da burocracia, dos interesses que capturam sistematicamente os orçamentos públicos, a comunicação social endividada, e o demo-populismo partidário, continuam em estado de negação perante o que aconteceu nos Estados Unidos de Donald Trump, e que antes ocorrera (e continua!) na França de Le Pen, na Itália de Berlusconi e de Beppe Grillo, ou mais recentemente com o Brexit, e o que ainda irá acontecer até ao fim deste ano, na Alemanha, na França e na Holanda. A ilusão de que a colocação de mais um filtro de crítica politicamente correta na realidade agora escancarada nos livrará da desgraça é o maior perigo de todos. Estudar as causas do que torna a realidade política actual tão inconcebível é a nossa única opção racional para evitar o pior, e assim nos adaptarmos ao que aí vem.

Em 1972 foi escrito um livro fundamental: Os Limites do Crescimento. Curiosamente, 2030 aparece neste livro como uma das datas prováveis de um colapso do modelo de crescimento demográfico e económico que julgávamos eterno, e que assentou até hoje na ideia de que o PIB deve progredir todos os anos, a par dos salários e do consumo de bens e serviços. Este modelo está pura e simplesmente errado, e chegou mesmo ao fim. 2030 está bem mais perto do que parece, se é que não chegou já.

O modelo que o pensamento politicamente correto tanto criticou, a famosa globalização, está, enfim, a rebentar pelas costuras, tendo entretanto colocado no corredor da extinção uma espécie social conhecida como 'classe média', e atirado ainda dezenas de milhões de trabalhadores industriais e de serviços, americanos e europeus, para o desemprego permanente e a miséria.

Este problema começou, na realidade, no início dos anos 70 do século passado, com a primeira grande crise mundial do petróleo. Desde então, entalados pela perda de competitividade causada pela subida imparável dos preços do trabalho e da energia, os países ricos do Ocidente, a começar pelos EUA, não fizeram nada mais do que mitigar o problema: exportar as atividades produtivas para as regiões onde o trabalho era muito mais barato, distrair as suas comunidades com uma economia virada sobretudo para o entretenimento e o consumo, ou ocupar um número crescente de cidadãos numa espiral educativa sem fim, sabendo que fora dessa espiral haveria cada vez menos oportunidades de trabalho propriamente remunerado e estável.

Assim como o trabalho produtivo não parou de diminuir nos Estados Unidos, Canadá e Europa Ocidental, também o capital emigraria para onde era possível obter maiores graus de exploração do trabalho. O resultado só poderia ser um: Estados Unidos, Canadá e Europa Ocidental foram-se endividando para importar o que não produziam, e para subsidiar os direitos de uma população desempregada ou improdutiva que continuava a crescer, a consumnir cada vez mais, e a envelhecer.

Outra consequência desta distorção económica e social foi a globalização ter dado lugar ao maior processo de concentração capitalista que alguma vez existiu.

Porém, só o facto de a nova elite financeira nascida da globalização ter tido a capacidade e necessidade de corromper os governos e algumas elites intelectuais e profissionais dos seus países de origem permitiu esconder o empobrecimento real de 99% das populações americana e europeia ao mesmo tempo que os 1% iam ficando cada vez mais ricos e poderosos. Na realidade, só quando as dívidas públicas e externas americana e europeias explodiram é que nos apercebemos que algo ia efetivamente muito mal no reino das democracias.

Talvez, depois desta introdução, possamos ler o discurso de posse de Donald Trump sem sermos imediatamente assaltados pelo medo de pensar.


Discurso de posse de Donald Trump (Tradução Google)

"Chief Justice Roberts, Presidente Carter, o presidente Clinton, o presidente Bush, o presidente Obama, colegas americanos e pessoas do mundo, obrigado.

Nós, os cidadãos da América, estamos agora unidos em um grande esforço nacional para reconstruir o nosso país e restaurar a sua promessa para todos os nossos povos.

Juntos, vamos determinar o curso da América e do mundo por muitos, muitos anos para vir. Vamos enfrentar desafios. Vamos enfrentar dificuldades. Mas vamos fazer o trabalho.

A cada quatro anos nos reunimos nestes passos para realizar a transferência ordenada e pacífica do poder.

E estamos gratos ao presidente Obama e primeira-dama Michelle Obama por sua graciosa ajuda durante toda esta transição.

Eles foram magníficos.

Obrigado.

A cerimônia de hoje, no entanto, tem um significado muito especial, porque hoje não estamos apenas transferindo o poder de uma administração para outra ou de um partido para outro, mas estamos transferindo o poder de Washington, DC e devolvendo-lhe o povo.

Durante muito tempo, um pequeno grupo na capital de nossa nação tem colhido as recompensas do governo enquanto o povo suportou o custo. Washington floresceu, mas o povo não compartilhava sua riqueza. Os políticos prosperaram, mas os empregos deixaram e as fábricas fecharam.

O estabelecimento se protegeu, mas não os cidadãos de nosso país. Suas vitórias não foram suas vitórias. Seus triunfos não foram seus triunfos. E enquanto comemoravam na capital de nossa nação, havia pouco para comemorar para famílias em dificuldades em toda a nossa terra.

Que todas as mudanças que começam aqui e agora porque este momento é o seu momento.

Isso pertence a você.

Pertence a todos reunidos aqui hoje e todos assistindo em toda a América.

Este é o seu dia.

Esta é a sua celebração.

E este, os Estados Unidos da América, é o seu país.

O que realmente importa não é qual partido controla nosso governo, mas se nosso governo é controlado pelo povo.

20 de janeiro de 2017, será lembrado como o dia em que as pessoas tornaram-se os governantes desta nação novamente.

Os homens e mulheres esquecidos de nosso país não serão mais esquecidos. Todo mundo está te ouvindo agora. Você veio por dezenas de milhões para se tornar parte de um movimento histórico, os gostos de que o mundo nunca viu antes.

No centro deste movimento está uma convicção crucial de que uma nação existe para servir os seus cidadãos. Os americanos querem grandes escolas para seus filhos, bairros seguros para suas famílias e bons empregos para si.

Estas são exigências justas e razoáveis ​​de pessoas justas e um público justo.

Mas para muitos de nossos cidadãos, existe uma realidade diferente.

Mães e crianças presas na pobreza em nossas cidades internas enferrujaram fábricas espalhadas como lápides pela paisagem de nossa nação.

Um sistema educacional cheio de dinheiro, mas que deixa nossos jovens e belos alunos privados de todo conhecimento.

E o crime e as gangues e as drogas que roubaram muitas vidas e roubaram nosso país de tanto potencial não realizado. Esta carnificina americana pára aqui e pára agora.

Somos uma nação, e sua dor é a nossa dor.

Seus sonhos são nossos sonhos, e seu sucesso será o nosso sucesso. Nós compartilhamos um coração, um lar e um destino glorioso.

O juramento de posse que tomo hoje é um juramento de lealdade a todos os americanos.

Durante muitas décadas, enriquecemos a indústria estrangeira à custa da indústria americana, subsidiamos os exércitos de outros países, permitindo o triste esgotamento de nossas forças armadas.

Defendemos as fronteiras de outras nações ao mesmo tempo em que recusamos defender as nossas. E nós gastamos trilhões e trilhões de dólares no exterior, enquanto a infra-estrutura da América caiu em ruínas e decadência.

Fizemos outros países ricos enquanto a riqueza, força e confiança de nosso país se dissiparam no horizonte.

Uma a uma, as fábricas fecharam e deixaram nossas costas sem sequer pensar nos milhões e milhões de trabalhadores americanos que ficaram para trás.

A riqueza da nossa classe média foi arrancada de suas casas e depois redistribuída em todo o mundo. Mas isso é o passado, e agora estamos olhando apenas para o futuro.

Reunimo-nos aqui hoje estamos emitindo um novo decreto para ser ouvido em cada cidade, em cada capital estrangeiro e em cada corredor de poder. A partir deste dia, uma nova visão governará nossa terra.

A partir deste dia em frente, vai ser apenas a América em primeiro lugar, a América em primeiro lugar. Todas as decisões sobre o comércio, sobre os impostos, sobre a imigração, sobre assuntos externos serão feitas para beneficiar os trabalhadores americanos e as famílias americanas. Devemos proteger nossas fronteiras dos estragos de outros países que fabricam nosso produto, roubando nossas empresas e destruindo nossos empregos.

A proteção levará a grande prosperidade e força. Eu vou lutar por você com cada respiração em meu corpo, e eu nunca vou deixar você para baixo.

América vai começar a ganhar novamente, vencendo como nunca antes.

Vamos trazer de volta nossos trabalhos.

Vamos trazer de volta nossas fronteiras.

Nós traremos de volta nossa riqueza, e nós traremos de volta nossos sonhos.

Vamos construir novas estradas e estradas e pontes e aeroportos e túneis e ferrovias em toda a nossa nação maravilhosa.

Vamos tirar o nosso povo do bem-estar e voltar ao trabalho, reconstruindo o nosso país com mãos americanas e trabalho americano.

Vamos seguir duas regras simples: Compre American e contratar americano.

Procuraremos amizade e boa vontade com as nações do mundo, mas o fazemos com o entendimento de que é direito de todas as nações colocar seus próprios interesses em primeiro lugar.

Nós não procuramos impor nosso modo de vida a ninguém, mas sim deixá-lo brilhar como um exemplo.

Nós brilharemos para que todos sigam.

Vamos reforçar alianças antigas e formar novas e unir o mundo civilizado contra o terrorismo radical islâmico, que vamos erradicar completamente da face da terra.

No alicerce de nossa política será uma lealdade total aos Estados Unidos da América, e através de nossa lealdade ao nosso país, vamos redescobrir a nossa lealdade uns aos outros.

Quando você abre seu coração ao patriotismo, não há espaço para o preconceito.

A Bíblia nos diz quão bom e agradável é quando o povo de Deus vive em união. Devemos falar nossas mentes abertamente, debater nossos desentendimentos honestamente, mas sempre buscar a solidariedade. Quando a América está unida, a América é totalmente imparável. Não deve haver medo. Estamos protegidos e estaremos sempre protegidos. Seremos protegidos pelos grandes homens e mulheres de nossas forças armadas e da aplicação da lei. E o mais importante, seremos protegidos por Deus.

Finalmente, devemos pensar grande e sonhar ainda maior. Na América, entendemos que uma nação só está vivendo enquanto estiver lutando. Não vamos mais aceitar políticos que são todos conversar e não agir, constantemente reclamando, mas nunca fazendo nada sobre isso.

O tempo para conversas vazias acabou. Agora chega a hora de ação.

Não permita que ninguém lhe diga que não pode ser feito. Nenhum desafio pode corresponder ao coração, à luta e ao espírito da América. Não vamos falhar. Nosso país vai prosperar e prosperar novamente.

Estamos no nascimento de um novo milênio, pronto para desvendar os mistérios do espaço, para libertar a terra das misérias da doença, e aproveitar as energias, indústrias e tecnologias de amanhã.

Um novo orgulho nacional vai agitar-nos, levantar as nossas vistas e curar nossas divisões. É hora de lembrar que a velha sabedoria que nossos soldados nunca esquecerão, que se nós somos pretos ou castanhos ou brancos, todos nós sangramos o mesmo sangue vermelho dos patriotas.

Todos nós desfrutamos das mesmas liberdades gloriosas e todos saudamos a mesma grande bandeira americana.

E se uma criança nasce na expansão urbana de Detroit ou nas planícies de Nebraska, eles olham para o mesmo céu nocturno, enchem seu coração com os mesmos sonhos e são infundidos com o sopro de vida pelo mesmo criador todo-poderoso .

Assim, para todos os americanos em todas as cidades próximas e distantes, pequenas e grandes, de montanha para montanha, de oceano para oceano, ouça estas palavras: Você nunca será ignorado novamente. Sua voz, suas esperanças e seus sonhos definirão nosso destino americano. E sua coragem, bondade e amor sempre nos guiarão pelo caminho.

Juntos nós faremos a América forte outra vez, nós faremos América rico outra vez, nós faremos América orgulhoso outra vez, nós faremos América segura outra vez.

E, sim, juntos faremos a América grande novamente.

Obrigado.

Deus te abençoe.


E Deus abençoe a América.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

A democracia enriquece as pessoas...

Via Porta da Loja


 Flash:

 O antigo Presidente da República Mário Soares, que morreu a 7 de Janeiro aos 92 anos, deixa aos dois filhos, João e Isabel, uma fortuna indeterminada em casas, quintas e terrenos, mas também uma biblioteca, obras de arte, fundos de investimento, acções e obrigações, avaliadas em dezenas de milhões de euros.

Ao longo da sua vida, o ex-chefe de Estado herdou, ganhou e acumulou uma fortuna incalculável que agora ficará disponível para os filhos: o deputado socialista João Soares, 67 anos, e a irmã, Isabel Soares, 66 anos, a actual directora do Colégio Moderno, a instituição de ensino privado da família Soares, em Lisboa.


 Com o testamento de Mário Soares ainda não tornado público, a base de toda a informação recolhida pelo site FLASH! acaba por ser a última declaração pública que fez no Tribunal Constitucional aquando da candidatura, em finais de 2005, às eleições a um terceiro mandato para a Presidência da República, escrutínio que perdeu a 22 de Fevereiro de 2006, para Aníbal Silva.

Essa declaração de rendimentos revela um Mário Soares verdadeiramente rico. Só no capítulo dos rendimentos, o "pai da democracia", como foi classificado por muitos nestes últimos dias, declara ter usufruído, em 2004, qualquer coisa como 482 mil euros, divididos entre rendimentos de trabalho, de capitais, prediais e de pensões.

Umas folhas mais adiante, os valores crescem, e de que maneira: com dados de 2005, Mário Soares assume possuir, entre aplicações, depósitos a prazo, fundos de investimento, acções, obrigações, produtos estruturados e produtos de eficiência fiscal um valor que, somado, com cotações válidas nessa data, davam um total de poupanças perto de 1,2 milhões de euros, repartidos por três bancos: BPI, Millenium/bcp e Caixa Geral de Depósitos (CGD).

MILHÕES EM CASAS, LIVROS E QUADROS

Além das quantias em produtos financeiros depositadas nos bancos, que em Janeiro de 2017, depois da crise financeira, deverão ser menores, João e Isabel vão herdar do pai uma biblioteca com mais de 40.000 volumes de livros que, pela sua dimensão, o próprio Mário Soares declarou em 2005 como sendo "de valor indeterminado", resultante da compra e oferta de livros que Mário e Maria de Jesus Barroso juntaram ao longo de toda a vida e que também terão herdado.



Torna-se inevitável o contraste com Salazar. Não porque este agora finado mereça sequer a comparação no estatuto, craveira intelectual ou feitos, mas apenas porque foi governante e político e é apontado como "pai da democracia".
Assim, para registo é sabido que Salazar, à sua morte deixou uma fortuna cujo valor está assim documentado:
 Salazar deixou 847 toneladas de ouro e 100 milhões de contos de divisas em cofre – a célebre "pesada herança", mas pertencente ao país, à sua Pátria.

Este pobre agora finado deixou, como "pai da democracia",  duas ou três bancarrotas; uma dívida "incobrável" de mais de uma centena de milhar de milhões de euros que todos teremos que pagar. Porém, através de cargos sempre públicos, com uma empresa de ensino particular, conseguiu amealhar uma fortuna de dezenas de milhões de euros. Notável!

Salazar, como bens pessoais amealhou à sua morte, numa conta da CGD, cerca de 250 contos, dos antigos.  Dizem aqueles que era ditador, mas morreu pobre, coitado ou pelo menos remediado e com bens cuja proveniência é conhecida.
Aquele grande democrata, pai da dita, morreu rico e de que maneira! Coisas da vida.

Salazar, o que deixou foi apenas fruto de poupanças da reforma que usufruía, como aqui se explica.




Conclusão: a democracia enriquece as pessoas. O salazarismo só empobreceu...



sábado, 14 de janeiro de 2017

O Ocidente Oriental



Quando Alexandre I a mandou fazer, quis a Catedral de São Isaque, em São Petersburgo, como coroa do mundo ortodoxo e celebração da vitória russa sobre Napoleão. Ordenou que a desenhassem contraditória, isto é, italiana e ortodoxa; o edifício é latino na forma e grego no espírito, simultaneamente do Leste e do Oeste e, por isso, síntese da Europa. Não há dúvida de que Alexandre, que anos antes marchara sobre Berlim e Paris, a queria exactamente assim, como confirmação de que era verdadeiramente europeia a nova Rússia.
O comunismo recentrou a Rússia em Moscovo, afastando-a num golpe da sua vontade de ser europeia e da fé ortodoxa da população. São Petersburgo tornou-se Leninegrado e São Isaque acabaria saqueada e nacionalizada pelo Estado soviético. Esteve encerrada até 1931, quando Estaline decidiu instalar lá um Museu do Ateísmo e a despojou de todos os símbolos religiosos. O dito Museu, insulto supremo para um edifício pensado e desenhado como nova Hagia Sofia, resistiu ao cerco alemão, às transições políticas do pós-guerra e só ao cair o bolchevismo, em 1991, fechou portas. Agora, seguindo as instruções do presidente Putin, o governo regional de São Petersburgo decidiu devolver a catedral à Igreja Ortodoxa Russa. Um acto bonito e bem demonstrativo de como aquele Ocidente oriental tem hoje tudo a ensinar-nos.

RPB