sexta-feira, 22 de junho de 2018

Entregues à bicharada...



Macron : Techno parade à l'Elysée, le déclin de la France



A América sempre foi assim...


"Os americanos já colocam imigrantes em jaulas desde os tempos de Ellis Island (Nova Iorque) e Angel Island (São Francisco). Ali, os arribados eram separados por sexos - homens para um lado, mulheres e crianças para outro - a que se seguia triagem por grau de instrução, riqueza, nacionalidade, etnia e cor da pele. Sujeitos a cerrado interrogatório, a que se seguia uma inspecção médica e um período de quarentena, por forma a evitar epidemias, os doentes crónicos ou incuráveis eram rejeitados. Por ali passaram ao longo de mais de um quarto de século vinte milhões de seres humanos. A América terá sido certamente o Estado que com maior entusiasmo aplicou a ideia - então científica - de "higiene racial" e da classificação de utilidade humana segundo a origem racial dos imigrantes. Em resumo, a primeira experiência que um imigrante tinha da terra da Liberdade era a prisão."
MCB


quinta-feira, 21 de junho de 2018

quarta-feira, 20 de junho de 2018

O meu problema não é com a imigração

"Vieram os retornados e eu nada referi até porque eram todos portugueses, vieram os moçambicanos, angolanos e cabo-verdianos e eu calei-me pois estes eram, apoiantes do regime português da altura e corriam perigo de vida…

Vieram os chineses e eu até aplaudi, pois são gente trabalhadora que se mete na sua vida e não vivem à pala do Estado. 

Vieram os brasileiros e solidarizei-me com a sua vinda, pois também os meus avós e pais foram acolhidos nesses país irmão.

Vie
ram os que deixaram os países de Leste aquando da desagregação da URSS, e eu mantive a boca fechada, pois tive noção do quanto poderíamos aprender com eles.


 Não meus amigos, o meu problema não é com a imigração e sim com a invasão."

RG




sábado, 16 de junho de 2018

Um país empatado, mas eufórico...






"Este jogo é uma excelente metáfora do nosso estado, um país empatado, mas eufórico..."

MAB









sexta-feira, 1 de junho de 2018

Não Matarás

"A partir do momento em que um Estado aceita ultrapassar a linha vermelha do "Não Matarás", tudo se relativiza, e as maiores atrocidades são legalmente instituídas."

AF