quarta-feira, 14 de novembro de 2012

A factura mais cara que a Alemanha terá de pagar


 Se a zona euro acabasse, a economia alemã encolheria 10% e o desemprego duplicaria, mostra um relatório do Governo. O país que mais ganhou com a moeda única teria muito a perder.


O cepticismo na Alemanha quanto ao euro tem crescido na exacta proporção em que os seus contribuintes são chamados a desembolsar mais e mais dinheiro para financiar os resgates à Grécia, a Portugal, à Irlanda e, agora, aos bancos de Espanha.

Os críticos de Angela Merkel acusam-na de não reconhecer os benefícios que a maior economia europeia tirou da moeda única. A chanceler responde dizendo que "a força da Alemanha não é infinita".

Mas, na balança da crise do euro, não há dois pesos e duas medidas.

Por mais custos que a grande potência europeia tenha com os seus parceiros do euro, há uma factura que ultrapassa todas as outras: a de uma desintegração da moeda única. Esta semana, a revista alemã Der Spiegel faz capa com o custo que uma ruptura do euro teria para a Alemanha: a economia entraria em queda-livre e o desemprego duplicaria.

A revista cita um relatório interno do Ministério das Finanças, que terá sido mantido em segredo com receio de que não fosse mais possível esconder que o custo de resgatar a zona euro é "um pequeno demónio" quando comparado com o regresso às moedas nacionais, explicou uma fonte não identificada do ministério à Der Spiegel. O Governo não confirma a autoria do relatório, que estima que o fim do euro e o regresso ao marco levariam a economia alemã a encolher 10% só no primeiro ano. Já o número de desempregados iria subir para mais de cinco milhões, quase o dobro dos 2,87 milhões existentes atualmente no país.

Embora esta previsão não seja a mais negra de todas, revela a preocupação com que a maior economia europeia está a olhar para o risco de ruptura do euro, numa altura em que o desconsolo quanto à moeda única ganha força dentro de portas. Uma sondagem conduzida em quatro países do euro e divulgada esta semana mostra que 39% dos alemães inquiridos são a favor de uma saída do país da zona euro. Nos outros países, as percentagens são consideravelmente inferiores: 28% na Itália, 26% na França e 24% na Espanha.

Com as eleições para o Governo a 15 meses de distância, Angela Merkel vê-se a braços com uma tarefa difícil: convencer os seus eleitores de que a Alemanha tem mais a ganhar com o euro do que a perder. Como, aliás, aconteceu desde a introdução da moeda única, em 2002.

Neste momento, a grande força da economia alemã são as exportações, sendo que cerca de 40% dos produtos e serviços do país são vendidos aos outros países da zona euro. Mas foi a entrada para a moeda única que permitiu ao país exportar a sua produção a preços mais estáveis e baixos. O euro eliminou as flutuações das taxas de câmbio e valorizou menos do que o marco alemão. Este cenário, aliado a uma política de moderação salarial, permitiu à maior economia europeia fazer baixar os seus custos unitários do trabalho em mais de 15% face aos seus parceiros do euro.


Deflação e dívida pública

O resultado foi uma explosão das exportações, que tem em empresas como a Volkswagen, a BMW ou a Siemens a sua face mais visível. Segundo os dados do Eurostat, antes de entrar na moeda única, o peso das exportações alemãs no Produto Interno Bruto (PIB) rondava os 30%. Neste momento, metade da riqueza produzida no país vem deste sector. O banco de investimento público alemão KfW estima que a pertença à zona euro tenha trazido à Alemanha lucros de 50 a 60 mil milhões de euros só nos últimos dois anos.Se a Alemanha sair do euro – ou pelo seu próprio pé ou no âmbito de uma desintegração geral - essa "vantagem competitiva" ficaria em risco. A nova moeda iria rapidamente valorizar face às outras divisas. O banco suíço UBS, num relatório divulgado em Setembro, apontava para uma apreciação de 40%, mas dizia tratar-se de uma previsão conservadora, visto que a nova divisa iria atrair fortes fluxos de capital, em fuga das periferias.

Num cenário deste tipo, as exportações tornar-se-iam muito mais caras, enfraquecendo a competitividade germânica. Juntando a isso o próprio impacto que uma ruptura do euro teria sobre toda a economia europeia e mundial, o UBS admite que a Alemanha possa perder 20% do seu comércio.

"As exportações seriam particularmente atingidas devido ao colapso da procura e à força do novo marco alemão. O financiamento ao comércio sofreria também disrupções, tal como na altura da queda do Lehman Brothers", diz ao PÚBLICO Mark Cliffe, economista do grupo financeiro holandês ING. Numa análise publicada em Dezembro, o diretor de pesquisa sobre mercados financeiros estimava que a desintegração do euro empurraria a Alemanha para uma perda acumulada no PIB de 12% nos dois primeiros anos (ver infografia) e afetaria o potencial de crescimento nos anos seguintes. O UBS é mais pessimista: a economia cairia 20% a 25% no primeiro ano.

Paralelamente, a depreciação da moeda nos países periféricos conduziria não só a uma recuperação da competitividade dos preços, mas também a taxas de inflação elevadas (de dois dígitos), que reduziriam o rácio de dívida pública em percentagem do PIB.

Na Alemanha, aconteceria o oposto: nas previsões do ING, este rácio subiria de 82% em 2012 a mais de 100% em 2013, para depois descer para 93% em 2016.

Falando em valores, e nas contas do UBS, a saída do euro ou a sua desintegração poderia custar 6000 a 8000 euros a cada alemão no primeiro ano e outros 3500 a 4500 nos anos seguintes. Segundo o banco, isto compara com os 1000 euros que cada alemão teria de "pagar", de uma só vez, se a Grécia, Portugal e a Irlanda incumprissem em 50% da sua dívida. Uma diferença significativa, tanto mais que, se a zona euro se desintegrar, há poucas certezas de que estes países sejam capazes de honrar estas dívidas.

Com a ajuda à banca espanhola, a Alemanha ficará diretamente responsável por mais de 100 mil milhões só em pacotes de resgate a países do euro. Além disso, os outros bancos centrais do euro devem ao alemão Bundesbank o equivalente a quase 25% do PIB do país. E os bancos germânicos têm centenas de milhares de milhões de euros em empréstimos aos países periféricos. Num cenário de ruptura da zona euro, é difícil medir até onde iria o impacto financeiro direto sobre a Alemanha.Uma coisa é certa: nem mesmo agora a maior economia europeia é imune à crise. Mesmo com os investidores dispostos a não ganhar nada com a compra da dívida alemã, a economia vai crescer uns tímidos 0,7% este ano, longe dos 3% do ano passado, segundo as previsões divulgadas ontem pelo Instituto de Economia de Munique (Ifo), que, admite o próprio, estão rodeadas de incerteza. E o desemprego, apesar de estar em mínimos históricos, subiu mais do dobro do previsto em Junho, pelo quarto mês seguido. Com ou sem o euro, a Alemanha também está na corda-bamba.

publicado aqui


4 comentários:

Ricardo Amaral disse...

Parece que dentro da Alemanha há interesses contraditórios assim como na europa os quais se empurram uns aos outros,Quem ganha com isto para além dos especuladores?Acho que esta europa não tem futuro com esta gente que tomou conta do poder nos estados e em Bruxelas.vai ter de haver uma espécie de 28 de Maio não acham?

Carlos Antunes disse...

Ora, finalmente, ao fim de 15 anos, vejo alguém reconhecer o que eu, na altura mero estudante universitário de Direito e praticamente leigo em economia, sempre percebi ser o motivo de criação do Euro. Resumindo: a criação da moeda única "Euro", com a consequente estabilidade de câmbios intra-europeus (e a sua moderação salarial) permitiu à Alemanha baixar 15% nos custos unitários do trabalho face aos parceiros do Euro, e, como resultado uma explosão das exportações que tem em empresas como a Volkswagen, a BMW e a Siemens a sua face mais visível.
Agora, a desintegração do Euro, ou a mera saída voluntária da Alemanha do mesmo, implica o pagamento da factura dessa "aldrabice" alemã (pois é uma moeda "única", num espaço económico que não é uno, mas antes com economias plúrimas, de ritmos desiguais e, por outro lado, com orçamentos diferentes, sem transferências internas, para compensar essas assimetrias) : o banco suíço UBS aponta para uma apreciação do novo Marco - numa estimativa "conservadora"(SIC)! - de nada mais do que 40%!! - as exportações tornar-se-iam muito caras e a Alemanha perderia 20% do seu comércio! O grupo financeiro holandês ING garante que a Alemanha teria uma quea no PIB em dois anos de 12%, mas a UBS é muito mais pessimista e fala numa queda de 20% a 25% logo no primeiro ano!!
De facto, não nos podemos queixar: esta sociedade civil (ou povo, se quiserem) tem as vistas tão curtas, é tão ignorante, e tão pouco propenso ao debate e ao mérito que só tem o que merece (políticos criminosos)! As manifestações que o povo agora faz são ridiculas, pois são manifestações contra a sua própria ignorância e imbecilidade: pois estamos em democracia e quem nos dirigiu nos últimos anos foi ELEITO!
Mas o seu a seu dono: na altura da adesão ao Euro, apenas o Economista JOÃO FERREIRA DO AMARAL teve a inteligência e a coragem de denunciar o que aí vinha.
E agora não dá para sair: na minha opinião essa alternativa agora para nós seria muito (mas mesmo muito) pior! Ou seja, estamos presos numa armadilha.
Afinal, os Gregos estavam certos: foi pena terem perdido as últimas partidas no póker que andam a jogar com a Alemanha. Agora têm muito poucas fichas... Mas... agora que já conseguem ter mais dados sobre a "mão" do adversário... ainda podem fazer "All in"!! Esqueci-me da cena final deste filme: o momento em que será tão gravoso para todos sair deste desastre financeiro chamado "Euro" que sairão todos aliviados (!) e a sorrir (!) com o cenário "menos desastroso" que lhes será apresentado ( e impensável há uns anos atrás): uma Europa Federal "made in Deutschland"!! Não há dúvida: são bem inteligentes estes alemães, mas a mim não me enganam! E, também por alguma razão, os ingleses não quiseram entrar no "casting" deste filme...
P.S. - Resta dizer que os nossos problemas não advêem todos da entrada para o "Euro": a globalização do capitalismo, a disseminação mundial do crédito fácil e especulativo, a desindustrialização do Ocidente nas últimas décadas, e a falta de matérias-primas (sobretudo petróleo) sempre levantariam enormes desafios para um país como Portugal. O que digo é que teríamos tido muito mais hipótese de lhes fazer face, de nos flexibilizarmos e tentarmos amortecer os impactos, com a nossa própria moeda!... do que agora presos nesta armadilha da moeda única :( criada pelos alemães em seu benefício imediato e tendo em vista o seu benefício de longo prazo ao aparecerem como "salvadores" numa Europa Federal (que será a única saída possível).

Carlos Antunes disse...

Queria ainda acrescentar o seguinte: nunca concordei com os posts do Vivendi e do Tiago Mestre, em que economistas (lá está, por regra alemães ou austríacos - isto independentemente de me inclinar para os pressupostos teóricos da Escola económica Austríaca) faziam crer que a moeda única tinha beneficiado mais os países da periferia e que tinha sido o "preço" a pagar pela Alemanha pela sua unificação (e que segundo querem fazer crer, até teria sido uma imposição da França).
Isso são economistas que mais uma vez apenas vêem apenas um dos lados do problema e não o fundo das questões (falácia muito própria de alguns economistas... alguns fazem-no de propósito: apresentar apenas uma das perspectivas do problema, pois estão a soldo para isso - v.g. estudos encomendados para PPPs e coisas afins).
É que podem ter aumentado as transferências/rendimento para os países da periferia - como vocês sustentam nesses posts - MAS DE FORMA ARTIFICIAL E INSUSTENTÁVEL A PRAZO! COMO BEM SABIA A ALEMANHA! Pois o Euro, desde o seu início, sempre foi visto como uma moeda "coxa", algo que não existiu, nem existe, em parte alguma do mundo - uma vez que a Europa não é uma Federação, com orçamento único e transferências internas).
Os políticos (alemães) sabiam isto, desde o início! (Deixem-me dizer-vos: eu participei em Tutzing, perto de Munique, em 1998, na qualidade de jovem universitário da Univ. Coimbra, em discussões universitárias sobre o alargamento europeu e a moeda única - e sempre defendi (na altura totalmente "contra a corrente") que seria impossível a uma economia como a portuguesa de repente dar semelhante salto e passar a competir com as mesmas regras (moeda única) com economias como a alemã e a francesa!
Muita gente (alemães) sabiam disso, que o Euro era "coxo" e que esse salto para economias como a portuguesa (com os tais alegados fundos estruturais), ERA UMA TRETA! ERA IMPOSSÍVEL!
Foi pôr vários gatos (uns enormes, como a Alemanha, e outros gatinhos escanzelados, como Portugal) dentro de um mesmo saco!
O resultado foi o que foi...
E abriu caminho à Alemanha para aparecer como "salvadora", e criar uma Europa Federal à sua medida.
Agora, têm em mãos um povo - Grego - que já não aguenta mais pagar estes disparates, e que no jogo de póker com a Alemanha está em vias de lhe passar para as mãos a fatura do que criaram em seu benefício...

Vivendi disse...

Caro Carlo Antunes,

Concordo com boa parte daquilo que escreveu mas é importante fazer umas ressalvas:

- Esta situação da crise do € não é boa para ninguém. Apesar da Alemanha estar agora numa posição de benefício é claramente uma situação de curto prazo pois não será sustentável. Se houver bancarrotas a sul a Alemanha é quem mais irá sofrer.

- O maior problema do € não é a moeda. Mas de quem andou a dar crédito fácil a torto e direito alimentando uma economia artificial.

- Quem defende moeda fraca defende uma população sem poder de compra nenhum. Esse é o maior problema de João Ferreira do Amaral. Foi o crédito e não a moeda que provocou este endividamento aliado a políticos demagógicos e corruptos que aumentavam os salários e o estado social sem estarem ligados ao aumento de produtividade que criou uma economia totalmente artificial e insustentável.
No caso português estamos a falar entre 20% a 30%.

Cumprimentos.